Physical Therapy - Ostheopaty - Global Postural Reeducation

Physical Therapy, Ostheopaty, Global Postural Reeducation

dezembro 21, 2009

O caos na Fisioterapia

Não porque me sinta deprimida mas por uma questão de trazer a público a verdade dos factos, hoje gostaria de fazer uma análise factual à evolução da minha profissão nos últimos anos.
Não critico, analiso. Não procuro tirar a esperança nem dizer que está tudo mal, mas fazer chegar às pessoas uma realidade que desconhecem. Acabar com mitos para que de uma vez por todos esta profissão possa crescer como merece.

Quando eu terminei o secundário "corria" a ideia que os cursos de saúde eram o futuro. Um mito. Quando iniciei o meu curso de fisioterapia havia 5 escolas de fisioterapia, quando terminei havia 16. Um número inacreditável para o mercado existente. Para vos dar uma ideia, o Piaget de Silves começou a abrir 80 vagas por anos. A minha questão é a seguinte? Existiam muito mais de oitenta fisioterapeutas no Algarve? Se todos os admitidos terminassem o curso estariamos só na primeira "fornada" a duplicar o número de fisioterapeutas. Não existe ninguém no Ministério da Saúde e no da Educação a fazer contas?
Já fez um seguro de saúde? Quais são os serviços que apresentam sempre plafons limitados? A Fisioterapia e a Medicina Dentaria. Ou seja, se quer fazer fisioterapia pague. Nem entro no absurdo da questão de o Estado admitir alunos de dentária e depois não ter este serviço no público ou comparticipar o mesmo.

Depois entramos nos valores ridículos que os seguros pagam às clínicas por tratamento ou mesmo o Estado. Quem tiver curiosidade pode consultar as tabelas. Pouco mais de dez euros em funções dos tratamentos que realize. Se reflectir um pouco chegará à conclusão que jamais uma clínica que estabeleça acordos com a caixa ou a maioria dos seguros poderá realizar um tratamento de fisioterapia digno. Sim, porque lamento desiludir as massas mas só electroterapia não é fisioterapia. Calor e massagem não é fisioterapia. Chega de deitar a areia para os olhos das pessoas.

Depois podemos ainda divagar sobre os salários dos fisioterapeutas. Peço desculpa, salário não. Em fisioterapia 70% dos fisioterapeutas nunca terão direito a um salário. Ganha-se uns trocos à hora, a recibos verdes, pagando no mínimo 150€ à Segurança Social, não tendo direito a férias e retendo mais 20% dos miseráveis trocos para o IRS. E não podem ir trabalhar para um hospital? Não, não podem porque como é óbvio 20 fisioterapeutas são mais do que suficientes para as necessidades de um hospital. Depois vão ter de esperar uns anos para que os nossos colegas se reformem para poder entrar num hospital e ganhar 900 maravilhosos euros para o resto da vida.
Agora estarão certamente curiosos de saber quanto ganha um fisioterapeuta à hora. Há muitos boatos. Eu estimo uma média de 7  a 8,5€ em Lisboa e 8 a10€ no Algarve. Sem descontos. No Norte e interior consta que ainda é pior. Os mais interessados poderão ter acesso às mais incriveis propostas de trabalho dos centro de emprego. A mais recente que eu vi era de 500€, 6 dias por semana, 8 horas por dia. Estaremos todos a falar de pessoas que concluiram uma licenciatura? Para mim, isto é uma vergonha.
Seria tão dificil criar uma tabela como têm os farmacêuticos?
Aceitam-se apostas para o preço da formação/dia em fisioterapia? Uma média de 100€ por dia para continuarmos a melhorar e a não desistir daquilo que nos apaixona, melhorar a qualidade de vida das pessoas.

Para terminar, um grande elogio para todos os meus colegas. Apesar deste cenário negro, os cursos continuam a ter participantes, e o sonho de fazer o melhor pelas pessoas que a nós recorrem está vivo.

A si utente, procure fisioterapia de qualidade, exija tempo e empenho.


2010 será sem dúvida um ano melhor para a fisioterapia e para os doentes porque "aqui é permitido sonhar".

dezembro 10, 2009

Um futuro melhor para os nossos bebés

Este fim-de-semana estive numa das minhas formações e o professor disse uma coisa que realmente me tocou, deixando-me a pensar. Disse que se realmente queríamos fazer algo pela humanidade tínhamos de aprender a tratar bebés. Descodificando a afirmação, o parto é um processo traumático que pode deixar muitas marcas no crânio do bebé. Tratando-se de um parto em que se utiliza forceps ou ventosas a probabilidade de deformação do crânio aumenta. A criança vai crescer com estas mesmas alterações que se podem traduzir em problemas múltiplos como uma escoliose, problemas de visão, deglutição, hiperactividade, entre muitas outras.
Visualizem uma ponte ou um prédio que se constrói sobre um pilar ligeiramente inclinado. Por muito pequena que seja a inclinação, os problemas na construção serão enormes.
Durante o crescimento as suturas do crânio vão-se fechando, e embora persista sempre um micro movimento, a capacidade de "moldar" o crânio torna-se mínima.

Assim, queridos pais, antes que os vossos filhos deixem de ser bebés, consultem um profissional que realize trabalho craniano, alguém com formação em osteopatia ou em terapia sacro-craniana. Nos casos menos complexos, com uma ou duas sessões as lesões intra-ósseas serão corrigidas.

E aqui está a genialidade da frase do professor. Tratar antes que os problemas se tornem definitivos, intervenha. Prevenir para que o futuro seja mais sorridente.

dezembro 09, 2009

Estante de leitura

Hoje proponho um desafio de observação. Abaixo poderá observar 4 imagens. O desafio é identificar as diferenças na postura de leitura e de trabalho no portátil quando se utiliza uma estante de leitura. Depois pense um pouco sobre o que um pequeno objecto poderá fazer sobre o seu trabalho e sobre as notas do seu filho. Boa sorte!!

    
    

novembro 28, 2009

A minha marquesa de RPG


É com muito entusiasmo que informo os leitores deste blog que finalmente tenho a minha marquesa de RPG.

Após muitos tratamentos em tapete, o grande dia chegou. A marquesa é linda, creminha e está pronta para receber todos aqueles que desejem ter uma palavra a dizer na sua postura.

Fotografias? Para abrir a curiosidade não vou colocar a foto da marquesa, fica "apenas" este lindo desenho esquemático que procura mostrar o que é uma marquesa de RPG. Sim, é bem dura, para que as correcções efectuadas não se afundem na esponja.

Agradeço do fundo do coração ao Nuno, pela disponibilidade e emprenho com que me ajudou. E ao meu Pedro pelo tempo que perdeu e por todas as ajudas durante o processo de construção da senhora marquesa.

novembro 22, 2009

Ciclovia Lx

Este post já anda na minha cabecita há uns tempos, mas hoje finalmente decidi escreve-lo. Fico contente quando me dizem que têm lido o meu blog e que de alguma forma isso tem sido útil no seu dia-a-dia. No fundo, para além de publicidade, esse é o grande objectivo deste blog: informar, aconselhar, levar a qualidade de vida a todos, motivar para uma mudança de estilo de vida.

Ciclovia Lx. Há uns domingos atrás peguei na bicicleta e tentei inutilmente colocá-la no meu carro. Não cabia. Claro. Mas as coisas não acontecem por acaso. A vontade era muita e obtei por iniciar o meu passeio a partir de casa.
Tive uma grande surpresa e quero partilhá-la. Está a crescer a alta-velocidade, não a linha do TGV, mas uma ciclovia em Lisboa. Depois de anos e anos a reclamar que nós tínhamos tudo para ser em país onde a bicicleta podia vingar como meio de transporte, alguém resolveu meter mãos à obra.
Nem tudo é crise, nem tudo é Gripe A, nem tudo é desemprego. No nosso país também estão a crescer coisas boas. Eu já descobri o percurso que faz Monsanto-Colombo-Telheiras-Campo Grande-Entrecampos. Mas existe muito mais. A quem está a construi-la, uma palavra de força. Continuem. A quem ainda não a descobriu, toca a tirar a bicicleta de casa e a aproveitar este clima incrível com que somos presenteados neste rectângulo. Se em Amesterdão é possível, nós não temos desculpas.

NOTA para os senhores: comprem um selim apropriado para diminuirem a pressão sobre a próstata.

Um desafio: tornemos esta capital uma capital da bicicleta.

O ambiente não depende apenas dos políticos que agora se reunem em Copenhaga. Depende de nós.

A nossa saúde não depende apenas da sorte, da genética e dos profissionais de saúde que nos atendem. Depende de nós.



novembro 16, 2009

Os nossos pés


Os pés são uma parte fundamental do nosso corpo. Na maior parte do nosso dia, os pés são a nossa porta para o meio físico que nos rodeia. Os pés, os olhos, a pele e a articulação temporo-mandibular (ATM) são os nossos "captores".
Possivelmente mercedores de um prémio de reconhecimento mundial, os nossos pés continuam a ser alvo dos maiores atentados terroristas. Aqui ficam alguns exemplos.

Sapatos de altos altos: pensem na redução do ponto de apoio de todo o nosso peso, no sofrimento das cabeças dos meta tarsos e no encurtamento a que os músculos gemeos estão confinados.


Sapatos de bebés: porque precisam os bebés, que ainda nem colocam os pés no chão, de sapatos? não estaremos a estabelecer limites para os pés cedo de mais? Os nossos pés perderam muitas das suas capacidades porque desde cedo deixamos de andar descalços, a musculatura intriseca do pé torna-se fraca e a importância dos dedos e a sua mobilidade é completamente desprezada. Conselhos? Andem  mais tempo descalços, brinquem mais na areia, dêem liberdade aos vossos pés.

Muitas são as áreas que ao longo do tempo têm vindo a premiar os pés. A reflexologia e a acupuntura reconhecem territórios de correspondência entre os pés e outras partes do corpo e dedicam-lhe uma atenção especial. As culturas orientais não vivem sem estimular através de massagens estes eternos sacrificados com carga extra.

Voltando ao meu Eramus, em Barcelona tive oportunidade de fazer uma cadeira de podologia e tomar contacto com um dos grandes nomes actuais da Podologia espanhola, Dr. Martin Rueda. Foi uma experiência muito importante e que me marca enquanto fisioterapeuta. Naquela familia todos são podologistas. Na altura a filha estava grávida e aquando das ecografias a preocupação da família era os pés da criança.
Em Espanha, todos os atletas do Centro de Alto Rendimento usam parmilhas especialmente concebidas para os seus pés.

Fique mais atento. Mime os seus pés.

novembro 12, 2009

Reflexão sobre o tratamento da escoliose

Durante a minha formação tive oportunidade de realizar o programa Erasmus, como muitos jovens. É sem dúvida um programa que deverá fazer parte da vida académica pelo enriquecimento que proporciona a diferentes níveis. Barcelona foi a cidade onde estive. Linda.

Para além de todas as pessoas que conheci, das técnicas que aprendi, e dos locais que visitei, guardo comigo inicios de reflexões que ajudam no dia a dia e me motivam a querer saber sempre mais.

A importância da Podologia é uma delas, uma área ainda tão pouco explorada em território luso. Mas esse tema deixarei para outros posts.

Estava a estagiar no Centro de Alto Rendimento quando conheci um pequeno grande atleta da ginástica desportiva que apresentava uma escoliose enorme. Se bem que na maioria dos casos, uma escoliose não dá dores nestas idades, este pequeno por levar o seu corpo ao limite, tinha imensas dores. Na altura a fisioterapeuta disse que não havia nada a fazer. Não há nada a fazer? Essa é uma frase que custa a aceitar para jovens sedentos de informação, com a ilusão de que estudam para resolver os problemas do mundo.

E foi assim que comecei a abrir os meus horizontes e encontrei a RPG. Sim, a RPG tem muito a fazer por uma escoliose, uma deformidade 3D que exige um tratamento global. A RPG procura perceber o que causou a Escoliose e, através de posturas de alongamento activas, corrigir. Até hoje não descobri outra técnica que tivesse uma abordagem para escolioses tão credível.
A Escoliose é sem dúvida um desafio.

Para informação sobre a escoliose poderá consultar vários sites como por exemplo http://saude.do.sapo.pt/escoliose.html ou http://pt.wikipedia.org/wiki/Escoliose

Se tiver alguma questão ou reflexão escreva!

outubro 31, 2009

O mito da Natação

Mitos. Vivemos numa sociedade de mitos e alguns até acho bem que se mantenham, porque de alguma forma dão esperança e fazem parte da nossa cultura e imaginário.

Contudo, há mitos que teremos de por à prova para poder seguir em frente.

A Natação tem sido apontada durante muito tempo como a solução para os problemas de coluna e alterações posturais. Num mundo em que a explicação teórica é uma exigência e o método experimental uma obrigação para quem pretende “fazer” ciência, gostaria que alguém me informasse sobre as bases científicas da natação como terapia para os problemas de coluna. De que forma a Natação poderá corrigir ou aliviar a dor provocada por uma escoliose?

A Natação é um desporto fascinante, com muitas potencialidades como complemento de um trabalho de reabilitação estruturado ou mesmo como opção de exercício. Contudo, não é um tratamento para a coluna. Aconselho mesmo que quem apresente uma hiperlordose (curvatura da lombar muito acentuada) ou uma crise aguda de lombar não realize estilos como bruços e mariposa, uma vez que acentua a lordose lombar.

Verdade seja dita, muitos jovens acabaram por se tornar campeões da natação por terem procurado nesta a cura para os seus problemas posturais. No entanto, e falando principalmente para os pais que por falta de informação aderem a este tratamento, procurem um tratamento de correcção postural, procurem um fisioterapeuta.

E sim, pratiquem muita Natação, porque é um excelente Desporto, mas pratiquem pelas razões certas.

outubro 22, 2009

Mulheres girafa


Esta é uma ideia que já esteve comigo em muitas sessões de RPG, mas só agora partilho.

Durante as posturas de alongamento, o fisioterapeuta faz uma tracção na nuca dos pacientes, promovendo o auto-crescimento. Quando em tracção, diminui-se a componente de achatamento que a gravidade e as "posturas" erradas do dia-a-dia nos impõem.
Muitos pacientes terminam a sessão dizendo que se sentem mais altos e efectivamente estão mais altos.

A sociedade sofre de sedentarismo: As crianças já não brincam nas ruas, os trabalhos são cada vez mais estar vergado sobre um teclado, como alguém já brilhantemente ilustrou num cartoon. A evolução do Homem passa por uma regressão na posição bípede.



Deixo-vos com esta imagem. Procuremos nos nossos dias ser um pouquinho mais mulher girafa, e um pouquinho menos homem das cavernas.

Agradeço ao Sr. Jovino Batista, grande fotógrafo, ter gentilmente cedido a foto da mulher girafa.

Aguardo os vossos comentários e reflexões.

Ficou com dúvidas sobre algum vocabulário mais técnico? Gostaria de perceber melhor? Escreva-me.

outubro 21, 2009

RPG - Que patologias trata?



A RPG pode ser indicada sem limite de idade, para a maioria das patologias/perturbações do sistema neuro-músculo-esquelético, agudas ou crónicas, com ou sem sintomas.

- Hérnia discal
- Lombalgia/Dorsalgia/Cervivalgia
- Ciatalgia -"Dor Ciática"
- Lesões articulares e pós-traumáticas
- Tendinites etendinopatias
- Ombro Congelado
- Bursites
- Cervibraquialgias
- Dores articulares difusas
- Escoliose
- Hipercifose ou hiperlordose
- Joelhos valgo e varo
- Pé cavo e pé plano

Não existindo uma patologia específica, a RPG é um método profiláctico. Se:
- tem muitas rupturas musculares por ano
- demasiadas lesões por ano
- ou pretende trabalhar a sua flexibilidade

Poderá obter excelentes resultados com esta ténica. Em atletas, a RPG tem resultados, não só ao nível da prevenção de lesões, mas igualmente na melhoria da performance.

outubro 19, 2009

Reeducação Postural Global - RPG


O que é a RPG?

A Reeducação Postural Global (RPG) é um método científico de avaliação, diagnóstico e tratamento de patologias que afectam o sistema neuro-músculo-esquelético. O método foi criado em França, no ano de 1980, por Philippe Souchard, baseado nos princípios da individualidade, causalidade e globalidade, sendo actualizado permanentemente pelos estudos levados a cabo pelo autor e seus colaboradores. Estruturado sobre a base da organização muscular em cadeias e a inter-relação existente entre as partes do sistema locomotor, permite abordar a problemática de cada paciente de maneira única. Cada indivíduo manifesta uma mesma patologia de uma forma pessoal, não havendo assim patologias mas sim pessoas com patologias. O sistema muscular é constituído por músculos estáticos ou tónicos, que intervêm na estabilidade, e dinâmicos, responsáveis pelo movimento. Os músculos dinâmicos, quando não trabalhados, tendem a perder a sua tonicidade. Os músculos da estática, pelo contrário, quando não trabalhados, perdem a sua elasticidade, tornando-se rígidos e encurtados. Assim, ambos se tornam fracos. A RPG aborda o paciente como uma unidade funcional, utilizando posturas de tratamento, de forma global e progressiva, com o objectivo de actuar sobre as cadeias musculares tónicas, alcançando uma terapia que permite descobrir a origem do problema, eliminando-a. Assim, estuda-se a biomecânica humana, estabelecendo-se as particularidades do comportamento estático e dinâmico, características anatómicas e fisiológicas do homem. Pela possibilidade de adaptar o tratamento a cada pessoa e à sua problemática específica, a RPG pode ser aplicada a um grande número de casos. Em linhas gerais, é uma ferramenta eficaz no tratamento e correcção de alterações posturais e alinhamento corporal. Procura recuperar a flexibilidade muscular, eliminar a dor e restabelecer a função, partindo da importante ligação entre forma, estrutura e função, no estudo e terapia das lesões/patologias do sistema neuro-músculo-esquelético.